HOMENAGEADO DO MÊS

HOMENAGEADO: Lula Cardoso Ayres, pintor Pernambuco de vanguarda, sua obra impressiona pelas formas. É um iluminado.
Período: 01 de novembro de 2012 a 31 de dezembro de 2012.

domingo, 30 de outubro de 2011

POESIA DA GENTE


Grito pela letra que escrevo.
Fico confuso no primeiro trevo.
Imaturo não me atrevo.
Palavras ao relevo.

O poema é gente.
Fala, pensa, mente.

Falo crente.
De um mundo diferente.
Falo a voz...
Às vezes ausente.

Canto lento.
Canto triste ao relento.
Canto alegre.
A voz aumento.

Falo, recito, por momentos.
Para um, dois ou trezentos.

A poesia é feito liberdade.
Fala o que não sente...
Fala o que sente...
Fala a verdade.

sábado, 29 de outubro de 2011

A CRIAÇÃO


No primeiro orgasmo...
No primeiro parágrafo.
A reação no peito.
Penso sob meu leito.

Os raios dos Deuses.
Estranha aventura.
Ilumina-me por meses.
Eterna ternura.

Um universo ou sonho
Acordado no ser.
Idéias eu ponho...

O verbo inicial.
O descanso casual.

RETICÊNCIAS


Com reticência
Eu dou movimento...
Com reticência
Melhoro a aparência.

A reticência
Induz a quebra de seqüência.
De reticência
Para mexer na eloqüência.

De reticências em reticências
Produz mais meras reticências...

quinta-feira, 27 de outubro de 2011

OBA!!!


Oba!!!
Disse Plínio.
Eba!
Disse Marina.

Ôba!
Chapeuzinho do vovô.
Eita!
Intruso no Eba Oba Ôba.
Oba do pão
Ao Plínio um grande abração!



Homenagem ao escritor e leitor Plínio Camillo.


sábado, 22 de outubro de 2011

BEBENDO


Eita! Coitadinho!
Bebendo vinho.
E a verdade
Bebendo liberdade!

E o coração...
Bebendo fé!
E depois,
Bebendo café.

Consola isto!
É um fingidor.
Firme e crente!
Nem sabe o que sente.

sexta-feira, 21 de outubro de 2011

SEM TÍTULO


Pensamentos respiram
Letras pequenas crescem
É para te ver melhor
Eu coleciono saudades

Reorganize sua vida
Inverta prioridade
Não retarde sua ida
Em busca da felicidade

quarta-feira, 19 de outubro de 2011

DESAFIANDO A MORTE


Eu desafio a morte todo dia
Passo engarrafamentos
Linha de trem e rodovia
Mas não há tormentos

Como carne na refeição
Sem saber origem e situação
Atravesso posto e risco de combustão
Às vezes liso sem um tostão

Problemas no trabalho
Rotina exaustiva
Cada chefe uma opinião
Uma solidão cansativa

Um conflito familiar
Um grito uma discussão
Uma noite de insônia
Remexendo no colchão

Mas encontro a paz...
Na minha compreensão
E esperança no Deus de meu coração...


terça-feira, 18 de outubro de 2011

CAMPOS



I
Andarás comigo pelos vagos campos?
Irei colher flores...
Sentirei os perfumes...
Cantarei louvores.

II
A margem do lago
Uma montanha cinzenta.
 Uma fogueira
Uma canoa deriva lenta.

III
O dourado sol
Abre olho da lua.
Como se as estrelas falasse
O som da água nas pedras cantasse.

IV
A recordação fluir...
De um lugar extenso,
Amável e aconchegante.
É assim que penso!


sábado, 15 de outubro de 2011

NATUREZA



Pensei na certeza...
Curtir rios, lagos e mares,
Frutas, mel e lares.

Pensei na natureza...
Pensei, orei...
Os sons e o animal rei.

Pensei na beleza...
Uns padrões multicores.
Pássaros, abelhas e flores.

quarta-feira, 12 de outubro de 2011

UMA FUGA


Encontrei na poesia uma fuga...
Para meus medos e aperreios.
É a paz para meus anseios.

O eterno conflito vislumbrei...
Entre o normal e o moral.
Entre o material e espiritual.

Se rico fosse o que faria...
Vejo o universo ambundante.
Combatia a fome e a paz traria.

Não quero deixar de encarar...
As situações de frente.
Mas prefiro a paz presente.

domingo, 9 de outubro de 2011

PAI NOSSO DA POESIA


Escritos nossos de cada dia
Santificada seja a nossa língua
Venha a nós idéias mães
Veja feita a pura inspiração
Assim no livro como na internet
Prosas e versos nos daí hoje
Perdoai-nos nossos erros ortográficos
Assim como perdoamos os de outrem
Deixai-nos cair na tentação de fazer
Um texto para um mundo melhor
De paz e sem mal.

Amém!

sexta-feira, 7 de outubro de 2011

NO BONDE DA VIDA


Não pedimos para sofrer
Pedimos para viver
No nascimento esquecer
Da origem sem saber

Ao descer o morro sobreviver
No bonde da vitória fortalecer
As vezes sem rumo e sem querer
Mais um dia para ver

E os desejos desmerecer
Manipulados posso não conhecer
Humilde ser
Pra conseguir envelhecer 

quarta-feira, 5 de outubro de 2011

FARÓIS DE NEBLINA


Na informação da tendência,
Um cenário e previsão.
Na análise do dia
Luz da economia.
Nos secos e molhados,
O setor, a confiança,
O futuro incerto ou perto
Nas frases e reflexões...
Brilhantes...



Homenagem ao jornalista Joelmir Beting

domingo, 2 de outubro de 2011

DESEJO ARDENTE


Meu desejo ardente
De amar um amor ausente
Daqueles que o coração
Nunca mente

Seu corpo desejar
Suas curvas amar
Sossegada beira-mar
Em seus beijos deleitar