HOMENAGEADO DO MÊS

HOMENAGEADO: Lula Cardoso Ayres, pintor Pernambuco de vanguarda, sua obra impressiona pelas formas. É um iluminado.
Período: 01 de novembro de 2012 a 31 de dezembro de 2012.

sábado, 31 de dezembro de 2011

NOITES NUAS


O que é a nudez da noite para um cético?
Mundo subjetivo de uma moral?
Conflito entre céu límpido ou tema ético?
A dúvida numa eloqüência oral?

Na penumbra de ruas frias sem gente,
Caminhas de pressa e medo na mente.
Caminhas sob a sinfonia do grilo e sapo.
Na calçada um bêbado sem bate-papo.

Na brisa fria que encolhe o artista,
Solidão, sem louvores dos espectadores.
Na calçada da praia um repentista,
Espera uma solução para suas dores. 

O vendedor de pipoca a buzinar.
Crianças sem dinheiro a olhar.
O desejo e a necessidade de vender.
Mas, na noite nua o final vai dizer.

O sol que foi embora sob o sino da igreja.
- Foi embora! Há certeza da prece, veja!
O padre sobre o altar das aflições.
Anima aos que proclama por perdões.

Na vilazinha do interior em meio à praça,
Amigos reunidos até sono bater,
Parecem procurar, nas palavras, graça.
Mas, sem terem muito que fazer.


terça-feira, 15 de novembro de 2011

PROFANAR A LITERATURA?



Outro dia me encontrei com a seguinte questão:
É possível profanar a literatura?
Me inquietou o coração...
Preciso de uma resposta a altura.

Mas o que seria profanar?
Tonar público o segredo de escrever?
Ou guardá-lo no meu egoísmo?
Falar algo que não devo ler!

Mas tão sublime e rica é a criatividade.
Tão boa é a maturidade.
Por que não distribuir a sociedade.
É um ideal de liberdade.

Lembro de alguns companheiros da juventude...
Não tinham livros, mas desejos.
Sem recurso e sem atitude...




terça-feira, 8 de novembro de 2011

SENSAÇÃO



Pegando uma carona no trem.
No lugar certo na hora errada.
Paisagem marcada,
Um vilarejo, igreja e amém.

Podia ter curtido mais!
O lugar e a paz...

Na gnosis daquele local
Esplendor da simplicidade.
Um olhar para liberdade.

Num recorte de papel
Uma arte e uma mensagem.
Um rio e sua sombra, a margem.

À distância e a saudade
Na partida de uma felicidade...

domingo, 6 de novembro de 2011

MOSQUITO


Conto uma história.
Não é notória.
No vôo do mosquito.
Parece esquisito.

Mas conto a trajetória.
Sobe e desce circular.
Reto e inclinado,
Parece brincar.

Num instante desaparece.
Daqui a pouco me esquece.

domingo, 30 de outubro de 2011

POESIA DA GENTE


Grito pela letra que escrevo.
Fico confuso no primeiro trevo.
Imaturo não me atrevo.
Palavras ao relevo.

O poema é gente.
Fala, pensa, mente.

Falo crente.
De um mundo diferente.
Falo a voz...
Às vezes ausente.

Canto lento.
Canto triste ao relento.
Canto alegre.
A voz aumento.

Falo, recito, por momentos.
Para um, dois ou trezentos.

A poesia é feito liberdade.
Fala o que não sente...
Fala o que sente...
Fala a verdade.

sábado, 29 de outubro de 2011

A CRIAÇÃO


No primeiro orgasmo...
No primeiro parágrafo.
A reação no peito.
Penso sob meu leito.

Os raios dos Deuses.
Estranha aventura.
Ilumina-me por meses.
Eterna ternura.

Um universo ou sonho
Acordado no ser.
Idéias eu ponho...

O verbo inicial.
O descanso casual.

RETICÊNCIAS


Com reticência
Eu dou movimento...
Com reticência
Melhoro a aparência.

A reticência
Induz a quebra de seqüência.
De reticência
Para mexer na eloqüência.

De reticências em reticências
Produz mais meras reticências...

quinta-feira, 27 de outubro de 2011

OBA!!!


Oba!!!
Disse Plínio.
Eba!
Disse Marina.

Ôba!
Chapeuzinho do vovô.
Eita!
Intruso no Eba Oba Ôba.
Oba do pão
Ao Plínio um grande abração!



Homenagem ao escritor e leitor Plínio Camillo.


sábado, 22 de outubro de 2011

BEBENDO


Eita! Coitadinho!
Bebendo vinho.
E a verdade
Bebendo liberdade!

E o coração...
Bebendo fé!
E depois,
Bebendo café.

Consola isto!
É um fingidor.
Firme e crente!
Nem sabe o que sente.

sexta-feira, 21 de outubro de 2011

SEM TÍTULO


Pensamentos respiram
Letras pequenas crescem
É para te ver melhor
Eu coleciono saudades

Reorganize sua vida
Inverta prioridade
Não retarde sua ida
Em busca da felicidade

quarta-feira, 19 de outubro de 2011

DESAFIANDO A MORTE


Eu desafio a morte todo dia
Passo engarrafamentos
Linha de trem e rodovia
Mas não há tormentos

Como carne na refeição
Sem saber origem e situação
Atravesso posto e risco de combustão
Às vezes liso sem um tostão

Problemas no trabalho
Rotina exaustiva
Cada chefe uma opinião
Uma solidão cansativa

Um conflito familiar
Um grito uma discussão
Uma noite de insônia
Remexendo no colchão

Mas encontro a paz...
Na minha compreensão
E esperança no Deus de meu coração...


terça-feira, 18 de outubro de 2011

CAMPOS



I
Andarás comigo pelos vagos campos?
Irei colher flores...
Sentirei os perfumes...
Cantarei louvores.

II
A margem do lago
Uma montanha cinzenta.
 Uma fogueira
Uma canoa deriva lenta.

III
O dourado sol
Abre olho da lua.
Como se as estrelas falasse
O som da água nas pedras cantasse.

IV
A recordação fluir...
De um lugar extenso,
Amável e aconchegante.
É assim que penso!


sábado, 15 de outubro de 2011

NATUREZA



Pensei na certeza...
Curtir rios, lagos e mares,
Frutas, mel e lares.

Pensei na natureza...
Pensei, orei...
Os sons e o animal rei.

Pensei na beleza...
Uns padrões multicores.
Pássaros, abelhas e flores.

quarta-feira, 12 de outubro de 2011

UMA FUGA


Encontrei na poesia uma fuga...
Para meus medos e aperreios.
É a paz para meus anseios.

O eterno conflito vislumbrei...
Entre o normal e o moral.
Entre o material e espiritual.

Se rico fosse o que faria...
Vejo o universo ambundante.
Combatia a fome e a paz traria.

Não quero deixar de encarar...
As situações de frente.
Mas prefiro a paz presente.

domingo, 9 de outubro de 2011

PAI NOSSO DA POESIA


Escritos nossos de cada dia
Santificada seja a nossa língua
Venha a nós idéias mães
Veja feita a pura inspiração
Assim no livro como na internet
Prosas e versos nos daí hoje
Perdoai-nos nossos erros ortográficos
Assim como perdoamos os de outrem
Deixai-nos cair na tentação de fazer
Um texto para um mundo melhor
De paz e sem mal.

Amém!

sexta-feira, 7 de outubro de 2011

NO BONDE DA VIDA


Não pedimos para sofrer
Pedimos para viver
No nascimento esquecer
Da origem sem saber

Ao descer o morro sobreviver
No bonde da vitória fortalecer
As vezes sem rumo e sem querer
Mais um dia para ver

E os desejos desmerecer
Manipulados posso não conhecer
Humilde ser
Pra conseguir envelhecer 

quarta-feira, 5 de outubro de 2011

FARÓIS DE NEBLINA


Na informação da tendência,
Um cenário e previsão.
Na análise do dia
Luz da economia.
Nos secos e molhados,
O setor, a confiança,
O futuro incerto ou perto
Nas frases e reflexões...
Brilhantes...



Homenagem ao jornalista Joelmir Beting

domingo, 2 de outubro de 2011

DESEJO ARDENTE


Meu desejo ardente
De amar um amor ausente
Daqueles que o coração
Nunca mente

Seu corpo desejar
Suas curvas amar
Sossegada beira-mar
Em seus beijos deleitar

sábado, 10 de setembro de 2011

MUNDOS CABALÍSTICOS

Luz, sabedoria e compreensão...
Emanação...

Misericórdia, justiça e beleza...
Criação...

Vitória, glória e fundamento...
Formação...

Na escolha, dentro do tempo e espaço, no reino...
A manifestação...

domingo, 31 de julho de 2011

MENSAGEM ESPÍRITA


Se te sentes só, fita o céu.
Veja o seu esplendor.
O veja com amor.

Ouviste asneira...
Não julgas, segue em frente.
Sempre de boa maneira.

No passado choraste.
No presente sereno,
No futuro sorrir.

Sejais humildes,
Tua elegante simplicidade,
Sobrepõe dificuldade.

Agradeça pelo bem.
Doando que receberás.
Vive um mundo de paz.

Carregas o pálio da juventude.
Bebes no cálice sagrado da fraternidade.
Na igualdade encontrarás a liberdade.

domingo, 17 de julho de 2011

PRECE

No meu olhar
Em silêncio
Busco a paz

Na palavra singela
Peço pelo bem
Que vós me fazeis

Obrigado pelo amor
Na minha essência
Obrigado senhor
Por minha existência

Se assim for teus desígnios
Visualizo o bem
Respiro o teu ar
Em cada passo amar

Ilumina minhas ações
Dar conforto ao meu coração
Derrama sobre mim tua luz
Peço tua proteção

Assim seja...

domingo, 26 de junho de 2011

PANELA DO MUNDO

Conselho de segurança alimentar
Conferência mundial
Especulação na panela do povo
A mesma conversa de novo
O faminto terminal
Sem comida e sem dinheiro
Ministros (raposas) que tomam
Conta do galinheiro


Crítica a falta de eficácia da ONU que se reuniu recentemente para discutir a fome no mundo e não se tem medidas práticas em curto prazo de tempo. No entanto, para decidir sobre guerra o gasto e a decisão é imediata.

NÃO ME DEIXE SÓ

Não me deixe só!
Não sou o mar!
Minha vida tá um pó!

Não me deixe só!
Não sou o sol!
Minha vida tá um nó!

Homenagem aos "drogados" que necessitam de atenção da família e da sociedade.

quinta-feira, 16 de junho de 2011

EU AINDA PENSO EM TI

Eu ainda penso em ti.
Sinto o teu abraço.
Sinto teu cheiro.
Tamanho de paixão.
Fui! Voltei!
Em ti pensei.

Uma noite maravilhosa.
Teus lábios e tu manhosa.
Seu sorriso de menina.
É um prazer pensar.
E o coração bate por você.
Inferno e verão.
Não fico sem te ver.

No meu peito tem o nome...
O seu...

Só posso dizer te amo...

terça-feira, 14 de junho de 2011

O CAMPEÃO

Haja coração!
Agora campeão!
Não pare!
Persista!
As dificuldades, risos!
Não há luz, lave o rosto!

Olhe o caminho...
Vá em frente!
Há alguém olhando por você!
Seu Deus!
Focar no objetivo.
Força!
Não desista!

Você é importante!
Acredite!
A força está contigo.
Escute a voz do coração amigo.

BOHEMIA

A cerveja!
Ser primeira...
É como primeira dama.
O primeiro amor.
É real como a realeza,
Dourada como os mais sublimes símbolos.
O malte e sua realeza.

Paraíso sobre o cristal.
Gelada ao sol não em igual.
Se a cerveja nasceu no Egito,
Não sei.
No Brasil é lei.
Bohemia a cerveja que amei.

segunda-feira, 13 de junho de 2011

AOS MEUS OLHOS

Estrelas carinhosas,
Ígneas rosas.
Na amplidão da vida,
Uma palavra perdida.

No caminho eterno,
A nudez de um mar.
A força do moderno,
Um clarão solar.

Uma luz enchendo o espaço.
Uma divina aurora
Em cada passo.

A pedra bruta,
Outro mundo agora,
Seu coração escuta.

sexta-feira, 10 de junho de 2011

VOU COM VOCÊ

Não sei para onde...
Meu pensamento voa por você.
Procuro uma razão,
Sinto abrir o coração.

Escuto uma música,
Novamente voa a imaginação.
Sentimento, luz, emoção.
Procuro entender a paixão.

Ando pelas ruas a procura não te encontro.
Mas o que sinto por alguém,
Que nem conheço.
É o amor que mereço.

Meu sucesso é estar ao seu lado.
É viver intensamente esse amor.
Parece que o tempo não apaga essa vontade.
Um adulto sem idade.

sábado, 4 de junho de 2011

DO TORPOR

Do torpor ao assombro...
Da poética perseguição.
Aos olhos sobre o peso do teu corpo.
Luxúria, líquidos e lembranças.
No intercurso o gosto.
Na devoção as fantasias...
Contemplação.

De sortilégio...
Após sonhos, poesia da segunda-feira.
Pessoas, pecados e ofícios.
Obstáculos? O silêncio.
No mar sentir o Graal...
Na intimidade lembranças sobre
Modernos faraós.

No descanso, gotas de feitiço.
Na caçada a chuva, a dúvida...
Apenas com a pena,
A beleza de atos de amor.

Somos homens, tudo bem! Vidas!
Resumo ser objeto num retrato.
Na poesia recomendações.


Homenagem ao Poeta e Filósofo Mario Sergio Sales baseado em temas de suas poesias.

PICA-PAU

Uma Ave falante ou não?
Seu bico forte então!
Reluzente linguajar.
Não é Ave, é uma figura sem “iguá”

Seu verso caipira.
Também conhecida poesia matuta.
Seu coração o inspira.
Fala do povo, sua alegria e sua luta.

Não é Ave, mas é, também, Maria.
Tem nome de santo,
Sua poesia é seu milagre e seu encanto.

Seja no “desabafo do eleitor”,
“Cópia fiel”... “Prumode que”.
Recita sempre seus poemas com amor.


Homenagem ao poeta José Maria Sales, o PICA-PAU.

quinta-feira, 2 de junho de 2011

SÊNECA

“Da vida retirada...”

Avaliando o caminho do bem e do mal.
Contemplar a verdade.
Conduzir a vida num único princípio.


“Da tranqüilidade da alma...”

“Volte-me para o meu retiro!”
Julgando de modo benevolente.
Devemos ter uma cuidadosa escolha.


“Da felicidade...”

Explorar o caminho para avançar.
Fundamento da vida feliz:
Viver simples e livre.



Homenagem ao filósofo e amigo Mario Sergio Sales.

terça-feira, 31 de maio de 2011

PASSOS

Prazeres a alma também os tem!
Na mente corre o pensamento.
Passos...
Caminhos da sabedoria,
Caminhos da paz...
Tranqüilidade.


No melhor critério,
Eliminando desejos.
Corres...
Além de si, pode acontecer...
Felicidade.

domingo, 29 de maio de 2011

BARRA

Na Barra com a jangada.
Praia límpida.
Há peixe frito.
Tem caranguejo e sururu.
Calor adorável.
Brisa confortável.


E o luar?
Com um lual.
Som, fogueira e nada igual.
Amigos,
Conversas, etc e tal.

sábado, 28 de maio de 2011

LUCIANA

Sorriso!

Admiração!

Espanto!

Exclamação!

Paira uma reflexão...

Sempre uma busca por solução.

domingo, 15 de maio de 2011

FIGURAS

Uma vela, um tabo xilografado.

Sabável jabuticaba.

Fagulha de estrelas.

Maçarico-de-coleira com macuripal.

Brejeiro do brejal.

Facistol do canto gregoriano.

Repentista alagoano.

Labrusca e vinho.

Poeta e um ninho.

sábado, 14 de maio de 2011

LEITAR

Leite de coco

Leite de amendôa

Leite de onça

Leite desnatado

Leite de gado

É de tirar leite de pedra

Leite de camelo

Leite de magnésia

Leite de pato

Leite de cachorro

Leite de sogra

Leite de cal

Leite de cabala

Leitaria

Leiteira

De leite em leite uma lambuzeira

Creme de leite

Chocolate

Guaraná

Um deleite

domingo, 24 de abril de 2011

CANTO

Canto porque gosto de liberdade...
Minha voz para minha vida é harmonia.
No desafino uma agonia.

Canto pela felicidade...
Aos amigos homenagem.
No papel um personagem.

Canto, canto, canto...
No canto.
Em qualquer canto.
Por um encanto...

terça-feira, 12 de abril de 2011

A POESIA

A poesia é para o poeta sincero
Um amor de pai.
Aonde vai seu verso
Uma verdade vai.


Talvez, de momento, não entendam
Porque a maturidade não chegou.
Mas no momento seguinte
Será expresso de um amor.


Verdade!

A vida nos deixa saudades.

Maldade!

É não perceberes felicidades.

Realidade!

Palavras sábias para todas as idades.


Tempo,
Rimas.

Luz,
Iluminas.

segunda-feira, 14 de março de 2011

DIA NACIONAL DA POESIA


Hoje, 14 de março, comemoramos o DIA NACIONAL DA POESIA, deixamos nossos votos de felicidades a todos os poetas brasileiros. Bem como agradecemos a todas as pessoas que estão envolvida na propagação da literatura de uma maneira geral.

ALÉM DA POESIA

sábado, 12 de março de 2011

sexta-feira, 11 de março de 2011

domingo, 6 de março de 2011

COFRE DE CRISTAL

Brilham estrelas
Universo de luz
Pontiagudas siluetas
Corpos nus

Poemas faltam
Silenciosos gestos
Descobrindo mistérios
Palavras sobram

Cristal luminador
Caminho do alento
Cofres de loqüela
Sabedoria incolor

sábado, 5 de março de 2011

ALÉM DA POESIA

Caminho da poesia...
Um recanto do escritor.
Ler ou não ser...
Uma vida em poesias.

Além da poesia...
Canto de Poemas.
Pensar é causar...
Poesias em foco.

Jovem escritor...
Casa das poesias.
Giro das letras...
Mundo dos poemas.

Caminho do despertar...
Cânticos de palavras.
Dispersa palavra...
Porosidade etérea.

Telas de ilusões...
Sem molduras.
Plano de imagem...
Travessuras.

A VIDA PASSOU POR PASSAR

No túnel da morte,
O filme da vida.
A grande consciência,
Para nova penitência.

Do medo e do encanto.
Nem pecado e sermão.
O corpo na degradação,
No branco manto.

A vida passou
Por passar.
Novo presente,
Noutro corpo voltar.

sexta-feira, 4 de março de 2011

ALÉM DO HORIZONTE DO MEU SER

A voz do coração,
Guia-me na razão.

Além do horizonte.
Um pouco medito,
Lá no monte...
As coisas que acredito.

Mero fulgor,
Em nome do amor.

No meu sonho,
Vertical paisagem.
No porto infinito, liberto.
Vôo, transparente viagem.

Meu ser tem
Instruções do além.

Secreta fonte,
Tremeluzir azular.
Sou cavaleiro e monge.
E o brando vento a me despertar.

UN SUSPIRO DE EXISTENCIA

La voz de la memória
La importacia de los detalles
Impulsos
Momento del esfuerzo
Mis quimeras
Respiran las noches
Apenas presencias
En mis pensamientos
Una ilusión
En mi corazón

CORAÇÃO CONSENTE

O que deixou alegria?
O amor, quando se revela.
Meu coração do frio ao fogo.
Me ouves, então, prossigo.

Na busca da beleza,
Contemplo idéia do mundo.
Habitam mistérios no silêncio,
Alma acesa no fundo.

Coisa feliz,
Me diz...

sábado, 26 de fevereiro de 2011

O AVESSO DO AVESSO

Convém observar:
O avesso...
Mas não tem frente.
Atrás é inteligente.

Visto de longe.
Conflagração de ortodoxo
Confluência de monge.

Fugazmente esporádico.
Impávido egoísmo.
O oposto do inverso.
Crescente antagonismo.

sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

BÊBADO E O MEAEIRO (No Baianês)

No rame-rame do meaeiro.
Grita o bêbado:
Quem quer dinheiro?

Entrupicar...
Tá ramado!
Uma queda.
O porquinho esparrafado.

Talado.
Virado no cão.
Dinheiro correndo pelo chão.

Dentro do cafua
Foi fazer cangancha.
Currião cuzicado.
Pra terminar esse campado.

Vagal varapau.
Tira uma filipeta.
Bêbado! Vai chupar chupeta!


Baseado em palavras do dicionário do Baianês, vendido em pontos turísticos de Salvador capital do estado da Bahia no Brasil. Trata-se de uma linguagem humorística incorporada a cultura popular.

quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

CERCA DE LA PLAYA

Um bungalow
Vista al mar
Em el salón
Fiesta caliente
Una carta
Para el corazón
Encontrarse amor
Encantada diversión

quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

GESTOS DE EQUILÍBRIO

Mudanças e renuncias.
Assumir responsabilidades.
Liberdade interior.
Harmonia.
Oportunidades,
Alegria.

Abrir o coração.
Caminho espiritual.
Compreender.
Expandir e crescer.
Sentimento.
Retensamento no relaxamento.

Confiança interior.
Descoberta da mente,
Observando pensamentos.
Atenção plena.
Experiência na meditação.
Evolução.

terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

UM ISCO

Um menisco
Um cisco
Um risco


Um petisco
Um belisco
Um marisco

segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

HELIANTHUS ANNUUS

Grande inflorescência
Em sua cruzada filotaxia
Ao sol no olhar notável
Símbolo da sorte imutável

Aos indígenas alimentação
Debelar a infertilidade
Sucesso e felicidade

Girassol...

domingo, 20 de fevereiro de 2011

ESTUPIDEZ

Despegar mórbido
Esturrar a razão
Mortal fluidez
Canibalismo da lucidez

sábado, 19 de fevereiro de 2011

PORTUGAL

Rosquinhas, vinhos e bacalhau
Singela homenagem a Portugal
Castelos e museus
Conventos e mosteiros
Arte fosforescente
Bradar seu esplendor crescente



Inspire-se de paixão
Arte e tradição
Belos casarios
Bailam ao som do acordeão
Vias romanas
Religiosa devoção

sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

MUJERES EN LA CIUDAD

Mujeres en la ciudad
Ficción y fantasia
La secuencia temporal
Provoca curiosidad
Y todo te parece nuevo
Entre los edificios
Y em el corazón
Inquietudes
Pensamientos y certezas

quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

RAIVA

Pavio curto sem a bomba.
Duro feito caroço de pitomba.
Ladrilhar em areia.
Até vento aperreia.

O sono que foi embora.
Emoção instável.
Sensação desagradável.
Prejuízo irreparável.

quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

CARTUNISTA

Intrínseco na metáfora
Imaginação sem mentacapto
Uma habilidade luzente
Eloqüência estupefaciente

Colorida exageração
Contagiante imparcialidade
Incumbência incomparável
De acomodar o acomodável

Medianeiro da materialização
Mecanização medicamentosa
Ocasional arte opinosa

Em tua arte és um Rafá
Contentamento faz semear
Por cada traço amar...


Homenagem a todos os Cartunistas, em espcial,  Edra pelo seu belo trabalho, inclusive pela sua idealização da Casa Ziraldo de Cultara em homenagem ao ilustre artista.

terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

BOTEQUIM

No botequim
Tem banquinho
Tem mesinha
Tem um tira-gostinho
Tem cervejinha


Uma cervejinha
Um tira-gostinho
Na mesinha
Sentado no banquinho
Do botequim

segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

SAMBA

Não deixe o samba morrer
Quero samba com você
Aqui ou no arpoador
É fantasia de amor

É o samba da Bahia
Lá no Rio é alegria
É amor, é amor
Portela, Mangueira ou beija-flor

Lá em Santa Tereza
Tive a certeza
Que o samba é amor
Nessa realeza sou ator

domingo, 13 de fevereiro de 2011

POESIA

Poesia não é ciência
Tem que ter paciência

Não é objetiva

Tem que aprender
Ler e gostar de escrever



Ter função poética
Mesmo hipotética

Quebrar paradigmas

Poema nasce na alma
É criatividade com calma



Contemporânea subjetividade
Clássicas rimas da antiguidade

Caótica enumeração

Elementos de ficção
Eventos da imaginação

sábado, 12 de fevereiro de 2011

SILÊNCIO

No homem...
Só pensamento.

De dia...
Passarinhos e sentimento.

À noite...
Corujas e o vento.

sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011

EL PATIO DE MI CASA (POESIA VISUAL)

con los ojos llenos de gaviotas
la puerta abierta
una flor blanca
La esperanza el horizonte

La rosa del jardín
pasarán las nubes con mi corazón
El dia la obedece
La razón

quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

PAPEL

Ao relento
Um poeta
Em busca do talento

No silêncio da mente
Um centelha
Um zumbido
Vôo de uma abelha


Um lápis
Uma inspiração
Uma idéia
Uma composição

segunda-feira, 7 de fevereiro de 2011

ETERNIDADE

Transformismo
Doce cantiga
Uma música antiga

Perpetuar
Na alma mergulhar
E externizar

A vida se faz cantando
As horas vão contemplando
Bons frutos de outrora
No sonho que foi embora

domingo, 6 de fevereiro de 2011

ETERNIZANDO VINÍCIUS

Deixa que eu te leve
De repente, não mais de repente
No puro anseio de chegar lá onde...
Criando o silêncio
A palavra que vem do pensamento
Vença o ideal de andar caminhos planos
Para que o sonho viva de certeza
Espalha apenas pura claridade
Ao transpor as fronteiras do segredo
Nada existe com mais serenidade



Homenagem ao poeta Vinícius de Moraes, poesia baseada em frases escritas por ele.

sábado, 5 de fevereiro de 2011

REDENÇÃO

Redenção,
Movimento.
Cristalino,
Refração.


Seu caminho,
Construção.
Passos da vida,
Imaginação.


Existência,
Saudades.
Pensamento,
Firmamento.

sexta-feira, 4 de fevereiro de 2011

DIA DE FEIRA

Em dia de feira
Tem manga verde e melão
Bêbado que embebeda com o cheiro
Verdureiras de montão

Caldo de cana e carro de mão
Tem zuada pior que da furadeira
Galinha de granja de primeira
Tem mulher fuxiqueira

No empurra purra da fila para passar
Tem mão boba de ladrão
Se você não for esperto
Não fica nenhum tostão

A volta no solavanco da estrada
Muito suor e cara lavada
No final não fica feliz
Não comprou o que se quis

quarta-feira, 2 de fevereiro de 2011

TROVAS SINGELAS

Em teus braços morrer
Contemplando a lua
Na riqueza e no poder
De tua fragrância crua

Aberta...
A planície deserta
E pelos campos
Lamparinas de pirilampos

Teu beijo deslumbra
Encanta na penumbra
E o meu peito sente
Um amor corrente

segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

O OLHAR NO AR

Faz luz...
Vozes migraram no silêncio
As estrelas retornam a brilhar
O doce ar da solidão
A noite não terá sido em vão

Conduz...
Uma meia palavra
O olhar no ar
Não enfraquece o coração
Um sentir
Um amar
Um calar
As vezes voar...
Na brisa mansa a soprar

domingo, 30 de janeiro de 2011

NA TERNURA DO POETA

Vi em ti o poeta
Amas palavras...
Estrela do tempo inteiro
Ouço-te ainda a voz
Não cabe no infinito
Vida eterna

A paisagem vista da janela
Ainda assim te pergunto
Para onde me levas?
A graça de viver
A solene marca dos deuses
É a hora do descanso
Amar e esquecer


Homenagem a Carlos Drummond de Andrade, poesia feita a base de frases escrita por ele.

ETERNO CONFLITO

Morrer...
Morrer! Morrer! Morrer!

Viver...
Viver! Viver! Viver!

Viva primeiro!

quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

PORTFÓLIO

Luz
Um atributo do ser
Virtude
Qualidade particular
Serenidade
Paciência descobre temperança
Fluído alquímico

Plano de idéias
Elementais
Espíritos diretores
Anjos

Harmonia
Poder realizador
Sintonia
Aspirações de amor

terça-feira, 25 de janeiro de 2011

VIVA CADA MINUTO

Aprenda, crie e use
Vamos fazer juntos
Conectando pessoas
Se é de coração, é de verdade
Movidos pela paixão
O poder dos sonhos
Exceder a sua visão


Simples assim
Viver sem fronteiras
Faz bem
A vida é feita de ciclos
Renove-se
Fazendo sua vida melhor
O espírito de sorrisos
Feito para você
A vida sem limites
Na terra, no ar e no mar
De bem com você


Obs: Baseada em slogans publicitários.

domingo, 23 de janeiro de 2011

SEM INSPIRAÇÃO

Acordando para o céu olhar
Nublado, chuva fina...
Papagaio na árvore da esquina
Volto para cochilar

O silêncio da rua
Na cama o friozinho
Suave penumbra
Procuro meu ninho

Sem inspiração
Os olhos fecho suavemente
Aos poucos...
Não estou mais consciente


sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

ORAÇÃO DO CARNAVAL

Oh! Meu Pai!
Dar-me um jeito de ir ao carnaval
Vou junto ao povo que festeja
Dar-me um pouco de cerveja
Dinheiro e Beleza
Mas não sou momo para realeza

No ritmo de vassourinhas!
Uma sombrinha!
Não quero ficar pra titio
e nem chamado de tio
Vou atrás de um trio
Na fantasia que crio
Um bronze no sol quente
Um sorriso ardente

Dar-me a chance de um amor
Um beijo de uma loira
Não precisa ser gelada
Muito menos pelada
Uma flor que desencante o coração
Vou ficar em oração
Para realizar minha petição

Não quero ser pecador
Muito menos sofredor
Se achar que estou errado
Feche os olhos para mim
Se achar que sou iluminado
Deixe me divertir assim

Pra o Galo vou-me embora
Em Olinda nas ladeiras
No calor da multidão
Vou brincar agora
Vou viver essa sensação

quarta-feira, 19 de janeiro de 2011

DEFEITO OU JEITO

As pessoas têm defeito!
Gritou o beato.
Não! Elas têm jeito!
Falou o homem do mato.
Veja por cada ato!
Retrucou o beato
Olhe pelos fatos!
Disse o homem do mato.

Não olhe por defeito!
Julgar você não tem direito!
Gosto ou rejeito?
Adaptar ou não ao jeito?

Ou inverto????

segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

CRUZ

Preso no chão

Dor na mão


Corpo...

Uma luz no coração

Vida...

Sobre a madeira

Observador...

Ramos de oliveira

Amor...

A cena do Salvador...

domingo, 16 de janeiro de 2011

O BOLO

Saborosoooo....
Em qualquer sabor
Feito pela mãe ou vó
É com amor

Se foi da padaria
É feito com Alegria
Se é festa de criança
Eterna magia

Quem não ficou atento
Não viu
Porque a neta
Não perdeu tempo...












Enfiou o dedo no bolo...












Saborosoooo....

sábado, 15 de janeiro de 2011

CAFÉ COLOMBO

Os livros...
Muitos livros...
Descobriu na Veneza
Café Colombo

Chegou...
Chegou pra brincar
Com idéias e letras

Jovens moços
Bons escritores
Boas entrevistas
Literatura e seus amores

Pesquisas e trabalhos
Dinâmica diversidade
Justiça e igualdade
Cultura pra qualquer idade

Num passo de luz
Boa mensagem introduz
Voar na imaginação
Café Colombo induz...

Não é fácil manter um site sobre poesias, imagine um programa de rádio, principalmente quando é uma rádio sem fins lucrativos que necessita de apoio cultural. 

Singela homenagem aos bravos guerreiros que promovem a literatura pernambucana e nacional através do programa
Café Colombo, exibido através da Rádio Universitária FM em Recife-PE aos domingos das14:00 as 14:30 hs. Por fazerem com o coração é notadamente requintado e plural.

sexta-feira, 14 de janeiro de 2011

PATRIOTISMO

Manoel era um menino
Gostava de brincar
Com chapéu de papel
Espada de madeira para brigar

O tempo veio e ele cresceu
Alistou-se no exército
Foi para guerra e morreu

Triste destino
Veja só o que a vida faz
Ficou o sonho do menino...
De lutar pela PAZ

quinta-feira, 13 de janeiro de 2011

FOTOSSÍNTESE

Produzir seu próprio alimento
Alimentar a alma
Oxigênio gasoso
Saborear com calma

Energia luminosa
Química energética
Numa forma poética

Metabolismo
Transferência de substância
Pensamentos eternos
Eterna constância

terça-feira, 11 de janeiro de 2011

PASSAPORTE DIPLOMÁTICO

Meu nome só um L tem
Não sou filho de ex-presidente
No Brasil sou residente
Dessa terra nunca fui além

Viajei pelo Brasil
Nunca fui ao exterior
Com um passaporte
Sinto que Diplomata sou

Se o direito é igual
“BRASIL UM PAÍS PARA TODOS”
Não sejamos tolos
Vamos repartir o bolo

Como “Patriota” que somos
Com passaporte Diplomático
No AeroLulla Vamos
Sou fanático...


Crítica a liberação de passaporte diplomático para os filhos do ex-presidente LULA.

domingo, 9 de janeiro de 2011

TUDO SE FOI

O que é tudo para quem não nada tem?
É imaginar em algo sem valor
Talvez estejas muito além
É viver apenas como vencedor

Apresentando como novidade
Tudo que se foi
É uma afirmação da idade
Um simples carro de boi

Construções primitivas
Movidas as paixões
Calores e frios
Vida de desafios

Na idade avançada
Tudo se foi...

sábado, 8 de janeiro de 2011

POESIAS MERAS POESIAS

Poesias...
Meras poesias...
Fotos da natureza
Palavras e sutileza

Pulso atrelado
Coração partido
Papel colorido
Rabisco lado a lado

Momento de acepção
Pensamento constante
Alegria elegante

Formas...
Meras formas...

O SONHO AMÉRICA DO SUL

Bratac se chamou
Aos japoneses imigrantes ajudou
Surgiu, cresceu, evoluiu...
Pelos funcionários que sempre o amou

Cada um fez dele seu sonho
Viveu ele acordado
Lutou
Cresceu porque sonhou

Se a vida se fez de sonhos
Os novos também sonharão
Certamente dentro do BAS
Crescerão...

Sonhe firme e com o coração
Estude, aprenda a negociar
Fale o sonho
O sucesso não te negarão


Homenagem ao Banco América do Sul, devido ao processo de fusão no sistema bancário nacional na última década foi vendido ao Sudameris, posteriormente passou para marca do Banco Real e hoje é Santander.

quinta-feira, 6 de janeiro de 2011

MINHA FILHINHA


Sonho de todas as noites
Um lindo sorriso
Penso e amo
Tudo com carinho

Coloco uma fralda
Visto um pijaminha
Brinco...
Faço uma caretinha

Amo, sempre mais amo
Sinto e olho quietinha
Pai coruja sou
É minha filhinha



Homenagem as minhas filhas

terça-feira, 4 de janeiro de 2011

MENININHA

Chora menininha
Chora coração
O dia amanheceu
Mamãe acordou
Vai fazer tua refeição

Faz um biquinho
Minha flor de Liz
Um sorrisinho
Pra Titio ficar feliz


Homenagem a Maria Eduarda minha primeira sobrinha, nasceu antes de minhas filhas.

domingo, 2 de janeiro de 2011

EM TOTAL IMOBILIDADE

Fundo do poço
Duro osso
Já não te sente moço
Um peso sobre o dorso

Em total imobilidade
Tu avanças
Num sorriso sereno
Renovas as esperanças

Tua inabalável fé
Perseverança
Dormes tranqüilo
A benção te alcança

sábado, 1 de janeiro de 2011

FRASES MERAS FRASES

Eu leio pouco, mas infinitamente.
A vida do homem em cada instante.
Uma literatura utópica.
À iniciação dos heróis.
Eis a questão, porque a razão?
Não direi tudo que sei!
Perdeu-se na fala.
Ou sente conforto.
Ou está fora do pensamento.
No caminho pedra forte.
Palavras, um porto ao norte.

Após longa ausência
O regresso...
Na recriação da mágica.
Horizontes irrestritos.
Armazém de palavras.
No canto das estrelas sob o luar...
A espera da placidez.
Donos das palavras.
Esconde uma timidez.